Connect with us

Brasil

Professora morta em incêndio já tinha perdido filho por afogamento

Heley de Abreu Silva Batista lutou contra vigia que ateou fogo em creche de MG

Publicado

em

Foto: Arquivo pessoal

Estadão Conteúdo

Considerada “heroína” em Janaúba, a professora Heley de Abreu Silva Batista, de 43 anos, morreu após tirar crianças do salão em chamas e lutar com o vigilante Damião Soares dos Santos, de 50, na manhã de quinta-feira, 5, na creche Gente Inocente, em Minas Gerais. Ela teve 90% do corpo queimado, que foi velado nesta sexta-feira, 6, com caixão fechado.

Segundo familiares, Heley já havia perdido o filho mais velho, afogado na piscina de um clube, há cerca de dez anos. Ela deixou outros três filhos, um bebê de um ano e dois adolescentes, além do marido.

“Ela amava todas as crianças como se fossem filhas delas”, disse a professora Doralice de Abreu, de 65 anos. “Foi uma heroína. Nossa família é de professores e, quando assumimos uma sala de aula, damos a vida pelos alunos, no sentido figurado. Ela deu, de fato.”

Segundo testemunhas, Heley tentava socorrer as crianças em meio ao incêndio, quando percebeu que o vigilante estava retornando ao local, com mais combustível. A professora, então, tentou impedir o criminoso.

“Pelo que falaram, ele disse: ‘Se não quiser que as crianças morram, então vai morrer eu e você’. Depois, segurou ela e os dois queimaram”, afirmou Doralice.

Publicidade

EM 24H: